A Relação Do Povo de Israel Com Deus, Era Especial.

A Paz do Senhor, queridos leitores abençoados. Esse espaço me deixa muito alegre, porque posso compartilhar com vocês, os temas que eu aprecio muito, e falar sobre Israel, é um deles! É muito propício para o momento que estamos vivenciando, e aprender o que as Sagradas Escrituras nos ensinam. Deus é o Criador e que Ele trouxe tudo à existência, pela força do Seu Poder!

Fazendo a leitura diária da Biblia Sagrada, o escritor dos livros Crônicas, explica o porquê que Israel era feito cativos dos seus inimigos. Após descrever sobre a genealogia, ele descreve a infidelidade dos governantes de Israel, registrado no 1º livro de Crônicas, 10.13, 14.2, e 2º Crônicas 36:14

O profeta Miquéias, fala da infidelidade do seu povo ao Senhor, violando a Aliança entre Deus e Seu povo, e que essa violação os afasta do Pai, prejudicando, também, sua nação. Na explicação do escritor das Crônicas, a infidelidade resulta em idolatria, ganância e injustiça. A infidelidade gera castigo, advertiu Miquéias durante o tempo de Acáz (Mq 6. 9 16). Com o alerta do profeta Miquéias, o Senhor Deus não queria quebrar a Aliança que tinha com seu povo, ao castigar Israel, mas estava cumprindo as advertências que lhes havia dado. (Dt 28:15,36)

O desejo do Senhor Deus para com Israel, (e nós) é que sejamos fiéis a Ele, que busquemos a Ele, e que, andemos humildemente diante dELE. (2ºCrônicas. 7:14; Mq 6:8). Eles iriam restaurar a comunhão da Aliança com Deus, mas, era necessário arrependimento, para alcançarem a misericórdia do Senhor. O rei Roboão, e o rei Manassés, experimentaram a misericórdia do Altíssimo, (2 Cr 12.6,7;33.12-19). Mas, outros reis infiéis morreram em seus pecados e tiveram sua nação infiel destruída.

Porém, Roboão e Manassés abandonaram ao Senhor Deus, com a infidelidade e sofreu grande consequência, eles e seu povo. A infidelidade de Roboão fez com que o exército do Egito, sob o comando do Faraó Sisaque do Egito. (2 Cr 12.1-2), invadisse Judá. Manassés, com sua infidelidade, abandonou a Deus, reconstruiu templos pagãos promovendo a falsa adoração em Judá, gerando castigo e exilio para sua Nação (2 Cr33.1-9, 19; 2 Reis 23:26 e24-3).

Quando o Senhor rejeitou a dinastia de Saul, deixou de exemplo e definiu o padrão de Sua rejeição ao povo judeu e ao exílio que se seguiu. A desobediência e a infidelidade de Saul, gerou a sua rejeição. Saul não buscou ao Senhor, mas consultou um médium, o que era proibido na Aliança. (Dt 18.11-12). Então, “Deus rejeitou o governo da família de Saul em Israel e levou sua dinastia ao fim.” (Cr 10:6)”

O Cronista resumiu o declínio de Judá com a infidelidade de todos os seus líderes, que seguiram as práticas das nações pagãs e contaminarão o templo do Senhor. (2 Cr 36:14)

O escritor das Crônicas precisava explicar por que Israel havia caído nas mãos de seus inimigos. Então. depois de definido a genealogia do povo de Israel, sua narrativa iniciou e finalizou com a infidelidade dos governantes de Israel. Registrado em 1º Crônicas, 10.13, 14.2, e em 2º Crônicas 36:14

A infidelidade ao Senhor viola a Aliança entre Deus e Seu povo e afasta o indivíduo ou a nação do Pai. A infidelidade resulta em idolatria, ganância e injustiça. A infidelidade gera castigo, assim como o profeta Miquéias. Advertiu durante o tempo de Acáz (Mq 6. 9 16). Deus não estava quebrando sua Aliança ao castigar Israel, mas estava, na verdade, cumprindo as advertências que lhes havia dado. (Dt 28:15,36)

O Senhor Deus não queria sacríficios, (Is, 1 10- 20). Não seria os sacrifícios que evitariam a correção. Pelo contrário, Deus queria que os israelitas (e nós) buscassem-No, fossem fiéis a Ele, e O seguissem com humildemente de coração e alma. (2º Crônicas. 7 14; Mq 6: 8).

O povo iria restaurar a comunhão da Aliança com Deus, arrependendo se e buscando ao Senhor. O rei Roboão, e o rei Manasses, seguiram esse caminho, e ambos experimentaram a misericórdia do Altíssimo. (2 Crônicas 12.6,7;33.12-19). Mas, outros reis infiéis morreram em seus pecados e tiveram sua nação infiel destruída.

Assim como aconteceu com Saul, ocorreu também com o rei de Judá, A infidelidade gerou castigo. Quando Roboão abandonou a lei do Senhor. sua infidelidade resultou na invasão sob o comando do Faraó Sisaque do Egito. (2 Cr 12.1-2). Quando use assentou atuar no papel do seu ser, dote, sua infidelidade resultou em letra. (Cr 26.16-18). Quando a casa? Buscou ajuda dos reis assírios, adorou os deuses de Damasco e inclusive fechou o templo., “sua infidelidade”, provocou a ira do Senhor. Quando Manassés reconstruiu os santuários pagãos e promoveu a falsa adoração em Judá., sua infidelidade, levou Judá a pecados que mais tarde geraram castigo e exílio. (2 Cr33.1-9, 19; 2 Reis 23:26 e24-3).

O escritor. De crónicas. Resumiu declínio de Judá com a infidelidade de todos os seus líderes, que seguiram as práticas das nações pagãs e contaminarão o templo do Senhor. (2 Cr 36:14)

O comentarista de primeiro e segundo crônicas, Martin J Selman, descreve que certas atitudes. eram esperadas de Israel, como por exemplo, buscar constantemente a Deus. Deixar de buscar a Deus, era tornar-se passivo do juízo de Deus, e buscar novamente a Deus fazia parte do processo da restauração. Martin continua expondo que. aqueles que fizeram hábito de buscar a Deus com mudança de vida, podiam esperar as benções de Deus de várias maneiras, e não em circunstâncias favoráveis.

O comentarista. baseado. na Bíblia, esclarece que o escritor dos livros de Crônicas. tinha maior interesse em salientar a identidade de Israel como povo de Deus. A nação consistentemente deixava de cumprir com suas obrigações. Deus deseja que Israel busque-O de coração aberto, sirva-O com o coração íntegro. Deus responde àqueles que que expõe o “desejo” do seu coração diante dEle, porque até os pecadores são aceitos quando se arrependem verdadeiramente de coração e alma e promete em 2º Crônicas 7:14,E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.

Conclusão sobre a Infidelidade de Israel com Deus

Nos livros de 1º e 2º Crônicas, a narrativa da infidelidade de Israel com Deus é uma constante advertência e reflexão sobre a importância da fidelidade e da obediência. Esses livros recontam a história do povo de Israel, destacando suas falhas e sucessos na relação com Deus.

Desde o reinado de Saul, passando pelo governo de Davi e Salomão, até a divisão do reino e os sucessivos monarcas de Israel e Judá, vemos um ciclo repetitivo de desobediência, idolatria, e afastamento dos mandamentos divinos. A infidelidade de Israel não foi apenas uma questão de adorar outros deuses, mas também de negligenciar as leis e os princípios que deveriam reger sua vida em comunidade.

Assim, o Cronista enfatiza que a infidelidade trouxe consequências severas, incluindo a derrota militar, a opressão por nações estrangeiras e, eventualmente, o exílio. Contudo, também há uma mensagem de esperança e restauração. Através dos chamados ao arrependimento, a misericórdia e a fidelidade de Deus são constantemente reafirmadas. Quando o povo se humilhava e buscava a Deus sinceramente, Ele sempre estava disposto a perdoar e restaurar.

A história de Israel, tal como narrada em Crônicas, serve como uma poderosa lição sobre as consequências da infidelidade e a infinita graça de Deus. Ela nos lembra da importância de manter uma relação fiel e obediente com o Criador, confiando em Sua orientação e vivendo de acordo com Seus preceitos.

Então, nós também precisamos ser fiéis ao Senhor Deus, para sermos perdoados e salvos da Sua ira. É Ele se ira com a infidelidade.

Vamos continuar essa caminhada de aprendizado da Palavra de Deus.

Divulgue e compartilhe.

Fonte:

IA, ChatGPT

https://www.bibliaonline.com.br/acf/2cr/7

1 E 2 Crônicas, Introdução e comentário de Martin J. Selman

Bíblia de Estudo Leitura Diária


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima